Noticias da Hora

Biografia de Anitta narra visitas da cantora em terreiro: 'Lava banheiro e varre chão'

Segundo Leo Dias, a Poderosa frequenta há alguns anos um terreiro na região metropolitana do Rio, onde é vista de forma simples
Uma parte do livro "Furacão Anitta", biografia não autorizada da cantora escrita pelo jornalista Leo Dias, fala sobre a religião da artista e a devoção que ela tem ao Candomblé. Segundo o autor, a Poderosa frequenta há alguns anos um terreiro na região metropolitana do Rio, onde é vista de forma simples, descalça e exercendo atividades como lavar banheiro e varrer o chão.
Foto: Reprodução | Instagram


"Quando ela vai lá, só ficam pessoas que têm relação direta com o lugar. Tudo para dar tranquilidade e privacidade à cantora, que lá, não se parece em nada com a superstar que aparece nos clipes e programas de TV. Durante o tempo em que fica imersa em sua experiência religiosa, Anitta é vista descalças, de roupas brancas, fazendo atividades comuns no local, como lavar o banheiro, varrer o chão e cuidar da mesa e refeições. No terreiro, tem contato permanente com a vida simples de que tanto gosta. (...) "Quando ela vai, ela se entrega totalmente .(...) O local, muito discreto, acabou se torando um refúgio para a cantora, especialmente nos momentos de maior estresse físico e mental", diz um trecho da obra.

Leo Dias conta que o terreiro também é frequentado pelo pai e o irmão da cantora, que, por conta da dedicação, já são considerados pai e filho de santo, respectivamente. Já Anitta, segundo o autor, tem uma posição privilegiada no candomblé:

"Ela foi 'abençoada'. Funciona assim: no candomblé, existem as chamadas Ekedi, que são como zeladoras dos orixás e têm posições privilegiada no terreiro. E isso é herdado, como um dom, a pessoa nasce assim. E, desde o seu primeiro jogo, Pai Sergio (o pai de Santo, grande confidente, ombro amigo e orientador da cantora) identificou com Ekedi, um ser elevado e espiritual".

O autor narra que a cantora passou a seguir fielmente os dogmas do candomblé após passar por uma das maiores crises financeiras da sua vida, no início da carreira.

"Após ser colocada na geladeira pela Furacão 2000 (empresa que cuidava da carreira dela na época), o pai estava desempregado e a mãe ainda costurava bolsinhas que valiam centavos. A quem apelar? Só restava mesmo a religião. E o que parceria impossível aconteceu. Mesmo boicotada (pela Furacão), ela emplacou dois hits: 'Menina máe' e 'Meiga e abusada'. Anitta entendeu perfeitamente o sinal e, desde então, passou a seguir fielmente seus dogmas".


Segundo a obra, Pai Sergio passou então a ser um grande confidente, ombro amigo e orientador da cantora. "Ele é um dos primeiros a ouvir um desabafo sobre qualquer problema, seja profissional ou pessoal. Anitta confia tanto nele que pede orientação sobre quase tudo em sua vida".

O livro afirma que a cantora segue todas as orientações do seu Pai de santo, como se casar na Amazônia com Thiago Magalhães. "Os orixás do candomblé representam a forças da natureza".

Num vídeo publicado no stories do Instagram na última sexta-feira, Anitta comentou sobre sua religião ter sido citada no livro que acaba de chegar às bancas.


"Pedi que ele (o autor) estudasse sobre a minha religião para que não falasse besteira. Vou ler direitinho para ver como saiu, mas o pedacinho que eu li, eu vi que ele está falando de uma maneira bem bonita", disse ela.

Nenhum comentário